América Latina: Incentivos na Compra de Carros Elétricos

Crédito: Freepik

Confira aqui o momento dos carros elétricos na América Latina e os incentivos adotados para a promoção da mobilidade elétrica. 


Conheça também os principais incentivos fiscais para veículos elétricos em outras regiões do mundo.


Carros Elétricos na América Latina

Além dos benefícios individuais, os carros elétricos geram também diversas melhorias para as sociedades, com redução na emissão de gases poluentes e, consequentemente, também redução de problemas de saúde em toda a população. Fatores como esses levam diversos governos a incentivarem a transição da frota dos carros a combustão para os veículos elétricos.


Na América Latina, o número de carros elétricos, híbridos ou plug-in aumentou 21,7% no ano de 2022 em relação a 2021 — demonstração de que os países latinoamericanos acompanham o crescimento mundial da mobilidade elétrica.


Com quase 25 mil unidades comercializadas, a consultoria BloombergNEF (BNEF) destaca que se espera um crescimento rápido na região, com destaque para os carros híbridos, que ainda têm maior presença nas vendas, segundo dados fornecidos pela Associação para a Mobilidade Sustentável (Andemos).


Países como Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, México, Panamá e Uruguai tomam a frente na frota elétrica latinoamericana com incentivos ao longo dos anos, mas atualmente repensam suas estratégias. 


Conheça um pouco do mercado de cada um deles e dos incentivos para a compra de carros elétricos:


Brasil

A frota de carros elétricos não é mais o futuro, é o presente. Dados da NeoCharge mostram que, no Brasil, no início de 2023, existem 124 mil veículos eletrificados, (cerca de 86 mil híbridos, 27 mil híbridos plug-in  e 11 mil 100% elétricos). 


Conheça aqui a diferença entre carro elétrico, híbrido e híbrido plug-in.


O levantamento mostra também que, em 2022, houve um aumento de mais de 3000 carros híbridos, híbridos plug-in e elétricos em comparação com o ano anterior. 


Entre as marcas mais vendidas no país, a liderança está com os carros eletrificados da Toyota, seguida por Volvo e depois e BMW. Segundo dados da UseElétrico o Brasil hoje tem o maior mercado de carros totalmente elétricos na América Latina,, com 8,4mil unidades. A seguir estão o México e a Colômbia. 


De acordo com a Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE), o país já possui 2.800 eletropostos públicos e semipúblicos. Contudo, esse número ainda é insuficiente devido ao crescimento da procura por pontos de recarga. 


O Brasil, assim como alguns países da Europa, disponibiliza a isenção de imposto de importação para carros elétricos, mas esse benefício está sendo revisto e pode voltar de forma escalonada.


Chile

Já o Chile aposta bem alto, querendo conquistar até 2050 que 100% do transporte público seja elétrico e 40% do privado também. Para isso, o país promulgou a Lei de Armazenamento e Eletromobilidade, em vigor a partir do dia 1 de fevereiro de 2023, que isenta o pagamento de permissão de circulação para carros elétricos e híbridos com recarga externa. 


A norma tenta equiparar o custo dos veículos eletrificados com os convencionais de combustão interna em cerca de 8 anos. 


Outros regulamentos também foram adotados, como a possibilidade de vender a sua capacidade de armazenamento à rede elétrica nacional enquanto estão ligados, contribuindo para descontos na fatura de eletricidade. Além de implementação de eletropostos a nível nacional e subsídios. 

Colômbia

A Colômbia se destaca quando o assunto é renovação da frota de ônibus elétricos. Desde 2019, o governo colombiano vem apostando na realização da meta proposta pelo Plano Nacional de Desenvolvimento, atingindo grande sucesso. 


Em 2023, a lei 1964 estabelece benefícios fiscais como a implementação de limite para o imposto anual de circulação, desconto nos seguros obrigatórios e política de tarifa zero para a importação do veículo elétrico. 


O país fechou o ano de 2022 com 27.845 carros novos eletrificados, em sua maioria híbridos, e 9,9% da frota de veículos representada por veículos elétricos. As marcas mais vendidas são BYD, DFM e BMW.


Costa Rica 

O país pretende alcançar 100% de ônibus e táxis zero emissões, assim como 60% da frota de veículos ligeiros. Desde 2018, incentivos à compra e circulação já foram adotados na Costa Rica. 


Em 2023, a reforma conhecida como  Lei de Incentivos ao Transporte Verdeampliou os benefícios que já estavam em andamento através da Lei de Incentivos e Promoção para o Transporte Elétrico. 


Antes, os subsídios dependiam do valor e tamanho do carro. Agora, o imposto ao valor agregado passa a ser de 1% e aumenta um ponto percentual a cada período fiscal até atingir 13%, para todos os carros eletrificados, inclusive os antigos (até 5 anos atrás do ano da lei) Já o imposto sobre a propriedade fica isento para os proprietários e para as empresas que produzem e montam veículos elétricos.


Crédito: Pixabay

México

Em abril de 2023, a montadora BMW anunciou o investimento de 800 milhões de euros na fabricação de carros 100% elétricos em San Luis Potosí, cidade do México. 


O país vem recebendo investidores que querem torná-lo uma liderança na mobilidade elétrica, como o caso da Tesla, GM, Honda e Audi. A ação está voltada principalmente para a exportação, uma vez que, localizado na América do Norte, o México pode se qualificar para receber incentivos fiscais federais dos EUA.


Panamá

A partir do dia 1 de janeiro de 2023 entrou em vigor a nova Lei de Mobilidade Elétrica no Panamá, com vantagens para a compra de carro elétrico, como a exoneração do imposto sobre o consumo e vagas de estacionamento exclusivas. Assim como na Áustria, o Panamá analisa calcular as taxas de registro segundo o nível de emissão de CO2 — se for um veículo elétrico, não pagará imposto e se for híbrido, terá a taxa reduzida. 


Segundo o relatório “Estado de Mobilidade Elétrica - América Latina e Caribe” de 2019, a proposta do governo para a mobilidade elétrica do país é alcançar 35% de presença eletrificada na frota de ônibus, 50% na frota pública e 20% dos veículos privados até 2030.


Uruguai

De 2018 a 2022, o Projeto Movés esteve presente no Uruguai com o objetivo de melhorar a mobilidade elétrica do país. A ação proporcionou ônibus elétricos para a população através de incentivos econômicos em parceria com o Estado, planos de substituição dos veículos movidos a diesel, planificações para os governos se tornarem mais sustentáveis e melhorias no financiamento de carros eletrificados. 


O projeto criou o "Ecossistema de Promoção da Mobilidade Sustentável e créditos verdes”, integrado nas leis econômicas e sociais do país. Assim, o Uruguai passou a ter o benefício de exoneração do imposto sobre a atividade econômica para aquelas empresas que investem em veículos eletrificados, além de compra de carros elétricos sem o IVA (Imposto ao Valor Agregado). 


O financiamento provém do Fundo para o Meio Ambiente Mundial. Hoje, a proposta segue para sua segunda fase, com o “Euroclima+ em Uruguai”.

VEJA O PASSO A PASSO DE COMO CARREGAR UM CARRO ELÉTRICO